Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Yoga na minha Vida

O Yoga ajuda a descobrir quem tu és... Tens coragem para saber a resposta?

Yoga na minha Vida

O Yoga ajuda a descobrir quem tu és... Tens coragem para saber a resposta?

Dias tranquilos...

Esta semana dei comigo a olhar para os meus meninos enquanto serenamente tomavam o pequeno-almoço... e dei-me conta de que entre nós já não há as palavras "despacha-te", "estás atrasada", " tenho de me ir embora, por favor tens de ser mais rápido", e ao recordar tais palavras surgia ao mesmo tempo na minha mente as filas de transito na A5 e saber que se me atrasa-se chegaria mais tarde, poderia não ter lugar no banco para estacionar, sairia mais tarde e seria uma confusão.

Olho para trás e para um passado não muito longínquo e percebo que os nossos dias começavam na mais pura confusão e que se isso condicionava o meu dia, claramente que também iria condicionar o deles, e indo mais longe condicionar também a convivência com todas as pessoas que quem nos cruzaríamos durante o dia, eu e eles. 

Já viram que de facto estamos ligados como se fosse uma teia?

Imaginem agora a cena, todos aborrecidos e chateados e stressados, como será a nossa reação e ligação uns com os outros? Pois... a mim também me parece que não será e não o é agradável. 

Agora imaginem o contrário, estamos de bem com a vida, tranquilos e serenos, a nossa convivência com o outro será automaticamente harmoniosa e assim sucessivamente.

Não é uma utopia que o Mundo seria um local melhor se todos estivéssemos bem, em paz e tranquilos! 

 

São 7:30 e são horas de acordar os mais pequenos, e lembro-me de que era a esta hora que os deixava na escola e que ia trabalhar numa angustia por ter de o fazer, sabendo no meu intimo que aquelas horas não eram horas de nenhuma criança ir para a escola, ou não deveria de ser.

Também me lembro de ouvir muitas vezes dizer, "mas isso é o normal", ou "A vida é assim", ou "quantas crianças não estão na mesma situação" e ao ouvir isto ainda me fazia sentir pior no sentido de, não gente, não é nada normal, não deveria de ser assim, quem disse que tinha de o ser? E de sentir e pensar, eu não sou os outros, os outros sabem o que é melhor para eles, mas eu sei que isto não é o melhor para nós.

Porque temos nós de nos resignar? Porque não podemos nós mudar mentalidades? Se não o fizermos, quem perde no meio disto tudo? Nós, pais que não estamos com os miúdos e os miúdos que não estão com os pais! 

 

Agora que tenho um trabalho diferente e que passo o dia com as crianças onde lhe ensino o que mais gosto, Yoga, percebo que muitos dos comportamentos dos miúdos, aqueles comportamentos mais agressivos, mais rebeldes, muitas vezes são resolvidos com um simples abraço, com um simples olhar, são resolvidos com o simples facto de lhes dar atenção, e isto é grave! Porque a nossa sociedade não tem tempo. As pessoas passam a vida a correr, não temos tempo para nada, andamos todos a toque de caixa e quando chegarmos a velhos vamos olhar para trás e vamos perceber que podíamos ter feito diferente.

 

Sem querer criar controvérsia nem ferir susceptibilidades porque claramente que cada um sabe da sua vida, eu estou feliz por simplesmente não andar a correr de um lado para o outro, por ter decidido diferente para a minha vida e poder usufruir da minha vida com os meus filhotes, com calma, muita calma.

 

Os dias por aqui têm sido muito tranquilos! 

 

flores-sc3a3o-carlos-floricultura-14.jpg

 Hari OM

 

Susana